....

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Cumplicidade Feminina [Crônica Falada]



Estava na festa de 50 anos da Diana Corso, um jantar entre amigos. Todas as mulheres sentadas no sofá; os homens, em pé ao redor da mesa. Até hoje não entendo o motivo destes clubes do Bolinha e da Luluzinha, mas sempre acho graça. A conversa girava mais para comentários evasivos, não havia engatado, o pessoal se estudando e se conhecendo. Até que uma delas disse que não
usava salto pelo desequilíbrio:

- Eu caio, sou desengonçada.

Ali, naquele momento, acendeu a cumplicidade feminina. Como?

- Quanto você calça?

- 37.

- Eu também.

Logo tirei meu salto para que experimentasse. Ela desfilou. Gostou. As outras perderam o pudor para também testar o meu par. Começamos a rir, abriu-se o sinal verde da confidência. A mulher usa a aparência para encontrar a verdade. Para ajudar a verdade.

É pela superfície que entendemos o fundo.

Não apenas somos próximas: somos acessíveis fisicamente uma para a outra. A amizade entre mulheres permite carinho, dividir a cama, fazer cafuné, andar de mãos dadas.

Quando fiz treze anos, meu pai me chamou para um solene diálogo:

- Pode confessar. Já sei que está namorando aquela Mírian.

Namorando a Mírian? Que comédia. Eu e minha melhor amiga gastávamos horas e horas ao telefone, escrevíamos cartas, trocávamos segredos. A maior parte sobre meninos. Quem não conhece o grau de entrega, pode desconfiar e achar que é amasso.

Há uma espontaneidade que a ala masculina não conhece e não tenta. Imagine um bando de marmanjos no vestiário calçando a chuteira do colega? Ou numa festa, repassando um sapato italiano?

É recente a abertura de alguns meninos, dados à carícia e à sentimentalidade. Alguns recriminam as atitudes, mas pode ser que sejam uma resposta a tanta falta de contato. Carência nunca foi questão de gênero.


ASSISTA ESTA CRÔNICA FALADA
Crônica Falada é um quadro do Programa Camarote TVCOM
Apresentação: @katiasuman
Crônica exibida em 27.10.2010

Um comentário:

  1. Essa divisão em caixas me lembra um livro do Graham Greene...

    ResponderExcluir